9 de mar de 2014

Vereador critica indiferença do governador para com Conselho de Segurança de CG

Conselho foi ignorado por Ricardo. Foto: Secom

O vereador Alexandre do Sindicato (PROS), presidente da Comissão de Segurança Pública, Defesa Social e Prevenção às Drogas da Câmara Municipal, criticou o que considera uma postura de evidente indiferença do governador Ricardo Coutinho em relação ao Conselho Municipal de Segurança Comunitária de Campina Grande, do qual o parlamentar faz parte. 

Na sexta, 07, Ricardo se reuniu na cidade com os gestores da segurança pública de seu governo, para, segundo a Secretaria de Comunicação do Estado, “avaliar o trabalho realizado e traçar estratégias para as Áreas Integradas de Segurança Pública”. Para o vereador, o governador deveria ter convidado, para a reunião, o presidente do Conselho, Ronaldo Cunha Lima Filho, vice-prefeito do Município.

“Embora tenha anunciado o encontro como uma reunião de governo, teria sido de bom alvitre convidar o Conselho, que representa a sociedade campinense e seu esforço em colaborar com a segurança pública da região. Ao se mostrar indiferente a esse esforço, Ricardo não ignora apenas o grupo de trabalho, que é formado por representantes dos mais diversos segmentos da cidade. Ele desrespeita, mais uma vez, Campina Grande e seu povo”, ponderou Alexandre.

Para o vereador, afirmar que a reunião era fechada a integrantes do governo não explica nem justifica a indiferença de Ricardo Coutinho. Alexandre do Sindicato diz ter certeza que a postura do governador é, na verdade, puramente política, assim como seriam as agora repetidas vindas do governante à Rainha da Borborema. 

“O raciocínio é muito simples. Se, ao invés do atual ambiente de rompimento, a relação do ainda governador com os tucanos fosse outra; se, inclusive, Ronaldo Filho, que preside o Conselho, fosse cotado, como chegou a ser, para vice-governador na chapa com o PSB, alguém duvida que ele teria sido convidado para a reunião? Claro que não”, avalia.

O parlamentar do PROS declarou acreditar que a simples existência do Conselho Municipal de Segurança, criado pela PMCG, com aprovação da Câmara de Vereadores, atendendo a um clamor da sociedade campinense, irrita Ricardo Coutinho porque fere sua vaidade. 

“O Conselho é suprapartidário e suprapolítico. Por não está subordinado ao governador, já o desagrada, afinal, sua vaidade é conhecida. Além disso, o Conselho aprovou moção solicitando a contratação dos concursados da Polícia Civil, promessa de campanha que Ricardo não cumpriu, como tantas outras, e essa cobrança certamente o irritou muito, porque uma das coisas que sabidamente ele não aceita é ser cobrado ou questionado”, concluiu o vereador.